segunda-feira, 8 de outubro de 2012

EXERCÍCIOS COMPLEXOS REGIONAIS BRASILEIROS



1. Entre as décadas de 1950 e 1960 foram criados órgãos de planejamento regional destinados a estimular o desenvolvimento socioeconômico das regiões brasileiras. Grande parte desses órgãos foi extinta nas décadas posteriores por não atenderem aos objetivos propostos. Quais foram as ações positivas desses órgãos de planejamento e quais as principais críticas feitas a eles?
    
Resposta
Entre as ações positivas destacam-se os projetos de irrigação do semiárido nordestino. Porém, diante do montante de verbas destinadas pelo poder público a tais órgãos, poucas ações foram realizadas com sucesso. Houve muita corrupção, desvios de verbas e benefícios concedidos às grandes empresas em detrimento das pequenas e médias. Tais problemas culminaram na extinção desses órgãos.

2. Por que a regionalização do Brasil feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar de ser a mais utilizada, não é considerada atualmente como a divisão mais apropriada para compreender os aspectos naturais e socioeconômicos do território brasileiro?
    
Resposta
De acordo com a divisão regional proposta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os limites de cada região coincidem com as fronteiras dos estados, porém, a realidade nem sempre obedece às separações administrativas. Além disso, as regiões são muito grandes, ofuscando, muitas vezes, características naturais e socioeconômicas relevantes que ocorrem em uma parcela menor do território.
As transformações naturais, sociais e econômicas ocorridas no território fizeram com que a divisão regional do IBGE se tornasse ultrapassada diante da realidade do país. O próprio IBGE admite tal fato.

3. Quais são as regiões brasileiras de acordo com os critérios geoeconômicos? Quais são as principais vantagens desse tipo de regionalização?
    
Resposta
O território brasileiro é dividido em três regiões geoeconômicas: Amazônia, Nordeste e Centro-Sul. Essa divisão é mais adequada para compreender a diversidade regional do Brasil, possibilita estabelecer as relações e a interdependência entre as diversas porções do território brasileiro e ajusta-se melhor ao processo de formação histórico-territorial do país.

4. Por ser considerada a região geoeconômica mais desenvolvida e industrializada do país, parte da população de alguns dos seus estados defendem a proposta de separação destas unidades da federação do restante do país.
a) De que região geoeconômica está se falando?
b) Quais são os estados que compõem essa região? De acordo com a ideia dos movimentos separatistas, quais desses estados se separariam do Brasil para formar um país independente? 
c) Quais são as justificativas alegadas para a separação de tais estados do restante do Brasil?

a) Trata-se da região Centro-Sul.
b) A região Centro-Sul é composta por Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal e partes dos estados de Minas Gerais, Mato Grosso e Tocantins. Desses estados, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e, para alguns, São Paulo se separariam do Brasil, segundo os adeptos dos movimentos separatistas.
c) A defesa de tais ideias decorre das desigualdades regionais existentes no país. A separação dos estados do Sul do Brasil, com a inclusão ou não de São Paulo, levaria à formação de um país desenvolvido, com padrões de vida comparáveis aos países da Europa Ocidental. Com a efetivação desse processo, os recursos econômicos captados seriam investidos nessa região, e não em outros estados da federação.

5. Alguns autores defendem a teoria de que as disparidades regionais no Brasil resultam de um “colonialismo interno”, em que as áreas industrializadas exerceriam o papel de metrópoles e as áreas mais pobres, o de colônias. Explique as ideias favoráveis e contrárias a essa teoria.
    
Resposta
Os defensores dessa teoria argumentam que existe uma relação de exploração de umas regiões por outras, resultando no desenvolvimento de uma área à custa do atraso de outras, que atuam como fornecedoras de matéria-prima e mão de obra barata para as áreas mais desenvolvidas do país. Outros argumentam que tal teoria é equivocada em virtude da coexistência, em países ricos e pobres, de áreas com graus variados de desenvolvimento econômico e social.

6. Por que o Nordeste brasileiro é considerado uma “região-problema”?
    
Resposta
Porque é considerada como uma região decadente, com graves problemas sociais e econômicos em seu território, necessitando, portanto, de ajuda governamental para se desenvolver.

7. Quais são as principais atividades econômicas desenvolvidas na Amazônia? Por que o atual processo de ocupação e desenvolvimento econômico da região é predatório?
    
Resposta
Na Amazônia se desenvolvem atividades ligadas à agropecuária, ao extrativismo vegetal, à mineração e à atividade industrial. Tais atividades são consideradas predatórias por causa dos impactos sociais e ambientais que provocam, como a destruição da floresta e da fauna, o extermínio de nações indígenas, a exploração da mão de obra e os conflitos entre os pequenos proprietários de terras e os posseiros pela posse e exploração dos recursos existentes no território.

8. Apesar de possuírem graus de desenvolvimento social e econômico diferenciados, as três regiões geoeconômicas do Brasil possuem uma série de problemas em comum que dificultam um desenvolvimento mais igualitário do país. Quais são esses problemas? Em sua opinião que estratégias amenizariam ou promoveriam a resolução de tais problemas?
    
Resposta
Entre os principais problemas comuns às regiões geoeconômicas existentes no Brasil destacam-se: a concentração de terras e de renda nas mãos de poucos, a corrupção, o mau uso dos recursos públicos, os altos níveis de criminalidade e a precariedade dos serviços sociais, como educação, saúde e moradia.
Entre as estratégias que podem ser elencadas pelos alunos destacam-se: a ampliação dos investimentos públicos na área social, o combate à corrupção, a maior participação e atuação da sociedade civil nos debates e nas decisões políticas quanto ao uso e destinação dos recursos públicos, entre outras.

9. As imagens abaixo representam duas áreas localizadas no Sertão nordestino, atingido periodicamente pelas secas. Explique os motivos da existência de realidades tão contrastantes em uma região caracterizada por aspectos naturais semelhantes.
Antônio Gaudério / Folha Imagem
Criança brinca em área afetada pela seca no sertão de Pernambuco
.
Márcio Garcez / Folha Imagem
Sistema de irrigação, em Canindé de São Francisco (SE). Foto tirada em 18/11/2004.
    
Resposta
A existência de realidades tão contrastantes na mesma região ocorre em virtude da chamada “indústria da seca”. Essa indústria consiste no desvio de verbas públicas destinadas à construção de açudes nas áreas carentes atingidas pelas secas para o desenvolvimento de projetos de irrigação nas grandes propriedades rurais pertencentes a uma elite política e econômica da região. Tais pessoas se aproveitam do fenômeno das secas para captar investimentos públicos aplicados nas grandes propriedades rurais, dificultando, dessa forma, a resolução do problema.

10. A maior parte da infraestrutura de transportes no Brasil se concentra na região Centro-Sul. Que fatores são responsáveis pela distribuição geográfica desigual da rede de transportes existente no Brasil?
    
Resposta
A rede de transportes existente no Brasil se concentra na região Centro-Sul em virtude da concentração populacional principalmente nas metrópoles nacionais e regionais. A maior parte dos estabelecimentos industriais e agropecuários também está localizada nessa região.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário