sexta-feira, 17 de abril de 2009

MATRIZES ENERGÉTICAS





O setor energético é considerado estratégico por ser responsável pelo funcionamento do parque industrial e do sistema de transportes de cargas e passageiros. Um colapso no setor energético pode significar um colapso em todas as atividades desenvolvidas em um país.

As fontes de energia dividem-se em dois tipos:

fontes renováveis ou alternativas;

fontes não renováveis, fósseis ou convencionais.

PETRÓLEO -Elemento Principal no Mundo Contemporâneo
O petróleo substitui o carvão mineral no século XIX por sua capacidade de iluminação (querosene em lampiões), o seu principal processo é o refinamento e tem a característica de ser fragmentado. As quatro fases econômicas da atividade petrolífera são: extração, transporte, refino e distribuição. As refinarias de petróleo sempre se localizam próximo aos grandes centros industriais, que são os maiores consumidores de derivados de petróleo, com o objetivo de reduzir os gastos com o transporte. Vale lembrar que depois de refinado, o petróleo aumenta de volume, exigindo maior capacidade de transporte e conseqüentemente, maiores recursos.
A criação de empresas estatais de petróleo, a partir dos anos 1930, consistiu em estratégia de enfrentamento ao cartel das “sete irmãs”, associação de empresas petrolíferas que visava controlar o setor. Com isso, os paises buscavam garantir a autonomia nacional no que se refere à produção e distribuição de tão importante recurso energético.
A Opep (Organização dos paises Exportadores de Petróleo) é uma associação formada por doze países (Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Catar,Indonésia, Argélia, Nigéria, Líbia, Gabão e Venezuela) que se uniram para tentar ampliar sua participação percentual nos lucros gerados pelo setor petrolífero. A primeira crise mundial do petróleo ocorreu em 1973 e teve caráter político com significativo aumento dos preços tornando refém todos os paises dependentes dessa forma de energia.


CARVÃO MINERAL e GÁS NATURAL
Apesar de ser conhecido há muito tempo, o carvão mineral assumiu importância mundial a partir do século XVIII, com a Revolução Industrial e foi a principal fonte energética até a chegada do petróleo, destacando-se os transportes (navegação e ferrovia a vapor) e a termoeletricidade (usinas termoelétricas). Apesar disso continua sendo importante com 28 % do consumo primário, 5% do carvão produzido é consumido no setor siderúrgico, mais ainda sim cresce, pois é barato para produção de energia, porém o custo de transporte é muito caro pois por ferrovias dificulta o transporte entre paises.
O gás natural corresponde a 20% da produção no mundo, seus principais problemas estão relacionado ao transporte que pode ser feito por gasodutos ou rodoviário o que é muito arriscado. Existe um desinteresse da industria petrolífera em tornar o gás uma forma alternativa viável para os paises já que sua exploração está vinculada a essa industria.


USINAS TERMOELÉTRICAS
São responsáveis pela produção da maior partes da eletricidade utilizada no mundo, fazendo uso principalmente do carvão mineral e do petróleo como fontes de energia. Isso explica, por exemplo, o predomínio desse tipo de usina nos países e regiões ricas em carvão e petróleo, como a Europa, a América do Norte e a China, entre outros. A principal vantagem é que ela pode ser construída próximo ou junto aos locais de consumo, o que implica grande economia nos custos de implantação das redes de transmissão. Por outro lado, tem como maior desvantagem os elevados gastos como o consumo de combustíveis e sua manutenção, e ainda, o uso do carvão provoca intensa poluição no ar.
ENERGIA NUCLEAR
O emprego da energia nuclear para fins pacíficos (geração de energia) começou em 1956 na Inglaterra. Apesar do custo muito elevado da produção de eletricidade de origem nuclear, a disseminação de centrais nucleares e o aumento da produção dessa energia foram espetaculares nas ultimas décadas do século XX. Mais de 90 % das usinas nucleares estão nos EUA, na Europa, no Japão e na Rússia. Alguns países subdesenvolvidos, principalmente os recentemente industrializados como: Brasil, Argentina, China, Índia e com destaque para Coréia do Sul , utilizam esse tipo de energia. Os riscos da utilização de energia nuclear são imensos. A utilização para fins não pacíficos (produção de bomba atômica) e para obtenção de poderio militar representa enorme perigo. Além de elevado custo de investimentos necessário para a utilização de energia nuclear, existe ainda o gravíssimo problema dos acidentes nucleares, dos resíduos e da contaminação do meio ambiente.


HIDROELETRICIDADE
A utilização força da água corrente como fonte de energia para produção de eletricidade iniciou-se por volta de 1860. atualmente esse tipo de fonte energética se encontra difundido em todo mundo, sendo particularmente utilizada nos paises que dispõe de grande potencial hidrelétrico. As vantagens da hidroeletricidade em relação às usinas termoelétricas e termonucleares são: as usinas hidroelétricas só causam impactos ambientais durante o represamento da água, a produção de energia dessa forma não polui o ambiente; a hidroeletricidade é uma fonte renovável de energia; depois de prontas os gastos com a manutenção das usinas hidroelétricas são comparativamente inferiores aos das usinas termoelétricas e termonucleares, alem de não haver necessidade de queima de combustíveis ou de fissão atômica.


FONTES ENERGÉTICAS ALTERNATIVAS
O rápido esgotamento das fontes de energia, principalmente de energia fóssil, o aumento do consumo de combustíveis (para indústrias e transportes), a redução do fornecimento e o embargo do petróleo, assim como a contaminação do meio ambiente, são alguns dos motivos para a sociedade a buscar opções de energia mais abundantes e menos poluentes são exemplos: energia solar; eólica; geotérmica; energia dos oceanos; energia da biomassa.
A PRODUÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL
As refinarias de petróleo no Brasil foram construídas na década de 1950, pela possibilidade de estoque da produção. Há uma grande concentração de refinarias na Região Sudeste, a mais industrializada do país e onde se verifica o maior consumo de derivados de petróleo. As refinarias se instalaram junto aos centros consumidores para diminuir os gastos com transporte, já que, depois de refinado o petróleo, o volume de produtos a ser transportado é maior. Na região sudeste encontra-se a maior produção nacional de petróleo, com destaque a Bacia de Campos (cerca de 75% do total nacional), a maior concentração de refinarias importantes pólos petroquímicos, com destaque a Cubatão; a Região Nordeste é responsável por aproximadamente 20 % da produção nacional de petróleo, com destaque a Bacia do Rio Grande do Norte e Recôncavo Baiano, onde ainda se localiza o pólo petroquímico de Camaçari.
Após as crises do petróleo da década de 1970, os países que dependiam da importação do produto buscaram estratégias de substituição por fontes alternativas. No Brasil, em substituição ao petróleo, as industrias passaram a usar a hidroeletricidade, o que explica a diminuição relativa do consumo daquele combustível. O governo federal concentrou investimentos em obras de infra-estrutura (energia e transporte) na região Sudeste, onde a elite econômica que comandou o processo de industrialização do país tinha seus interesses. Tal fato motivou o amplo desenvolvimento do setor hidroelétrico nessa região, com vista ao abastecimento do grande parque industrial concentrado.
A implantação do PROÁCOOL (Programa Nacional do Álcool), na década de 1980 promoveu uma grande concentração fundiária no Estado de São Paulo e conseqüentemente, acentuou o êxodo rural em direção aos centros urbanos. No campo, ampliou-se a quantidade de trabalhadores temporários (bóias – frias) desprovidos de condições mínimas de sobrevivência, alem disso patrocinou a transformação de áreas policultoras em monocultoras.
As maiores jazidas de carvão mineral do Brasil, são encontradas na região Sul. O carvão mineral extraído do Vale do Rio Tubarão (SC) é consumido pelas companhias siderúrgicas concentradas na região Sudeste, onde é utilizado no aquecimento dos auto-fornos que transformam minerais metálicos (sobretudo o manganês) em aço.
Em 1968, o governo brasileiro decidiu ingressar no campo da produção da energia eletronuclear, com o objetivo de adquirir o conhecimento dessa tecnologia. A construção de Angra 1, com potencia de 657 Mw, foi iniciada em 1972 e a primeira reação nuclear em cadeia foi em 1982, entretanto muitos eram os problemas técnicos e somente em 1985 começou a operar comercialmente. Angra 2 e Angra 3 repetem o atraso de Angra 1 e constituem grandes “elefantes brancos” até o momento.

6 comentários:

  1. Excelente post, me ajudou a esclarecer algumas dúvidas sobre o conteúdo... Estou estudando isso no colégio.

    Obrigada ;)

    ResponderExcluir
  2. Excelente post, me ajudou a esclarecer algumas dúvidas sobre o conteúdo... Estou estudando isso no colégio.

    Obrigada ;)

    ResponderExcluir
  3. e muito grande eu e que ñ vo copiar isso

    ResponderExcluir
  4. Tipo ham?
    Eu estava a procura de matrizes energeticas na primeira e segunda revoluçao industrial. Nao na produçao de petroleo que contribui para o fim da camada de Ozônio.

    I HATE

    BY: ?

    ResponderExcluir
  5. eu estava a procura dos maiores produtores e consumidores de gás natural e ñ encontrei nada!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. estou fazendo um trabalho sobre energia nuclear gostaria de saber quais saõ, e o que é desenvolvimento sustentavel.

    ResponderExcluir