segunda-feira, 31 de agosto de 2009

REGIÃO NORTE


Essa é a maior região brasileira, com uma área de 3 853 327,2 km2 correspondendo a 45% do total de todo território. Apesar de possuir um extenso território é pouco povoado, somente 7,6% da população do país habita a região. Já no contexto da população indígena abriga a maior quantidade do país, aproximadamente 163 mil índios.

Essa região tem destaque em relação aos recursos e paisagens naturais, é caracterizada principalmente pela Floresta Amazônica, além de possuir um clima quente e úmido, relevo irregularmente plano e a concentração de uma grande quantidade de rios. A região norte entrou no processo de urbanização, povoamento e desenvolvimento econômico de maneira efetiva somente no decorrer do século XX, quando foram implantadas medidas econômicas e de infra-estrutura (estradas, pontes, portos etc). Além de programas políticos com intuito de povoar a região.

A busca para desenvolver essa parte do Brasil tem crescido nas últimas décadas, no entanto, o modo como está ocorrendo é desordenado e sem nenhum tipo de planejamento prévio, isso ocasiona uma série de problemas de caráter social, ambiental em todos os estados que compõem a Região Norte. A Região Norte em seu extenso território abriga sete Estados da Federação Brasileira.


A Região Norte abriga a Amazônia


A Região Norte do Brasil é cobiçada por todo o mundo, pois comporta uma extensa floresta com grande riqueza de paisagens e recursos naturais ainda conservados. Na Floresta Amazônica existem diversos tipos de vegetações divididos em partes, há cerrado, campo e vegetação litorânea. No entanto o que predomina é a Floresta Amazônica, ocupando aproximadamente 80% de toda região norte.

Além da floresta ocupar a maioria da região, abrange partes de outros estados como Mato Grosso e Maranhão e até em outros países da América do Sul tais como Suriname, Colômbia e Peru.

A Floresta Amazônica possui características com árvores de grande estatura e copas largas, porém essa cobertura vegetal é definida conforme as variações dos elementos da natureza como relevo, clima, umidade e os litossolos encontrados dispersos na região.

Diante da complexidade existente na configuração da Floresta Amazônica, fica evidenciado que essa possui níveis, são eles:

Mata de Igapó: esse subsistema se encontra distribuído em áreas mais baixas do relevo, correspondendo a regiões próximas às margens de mananciais (rios, lagos, córregos etc), a principal característica é que essa vegetação permanece sempre alagada. As árvores que compõe esse tipo de vegetação possuem estatura menor que 20 metros ramificadas, e com grande presença de cipós e plantas aquáticas.

Mata de Várzea: se encontra em áreas mais elevadas em relação às matas de igapó, possui aspecto de mata fechada com árvore de 20 metros e galhos repletos de espinhos.

Mata de Terra firme: esse tipo de vegetação é composto por árvores altas que atingem entre 30 e 60 metros de altura, geralmente próximas, no qual favorece o agrupamento das copas, dessa forma impede a entrada de luz do sol. Sob essas árvores não se desenvolve árvores de pequeno porte e arbusto, devido à falta de luz que favorece o processo de fotossíntese indispensável para a vida dos vegetais.

Floresta semi-úmida: corresponde a um tipo de vegetação de transição entre outros biomas, sua cobertura vegetal é composta por árvores com alturas que variam entre 15 e 20 metros, os troncos são finos e as copas restritas.


O extrativismo vegetal na região Norte


A coleta de frutos e raízes constitui uma das mais primitivas maneiras de extração dos meios de subsistência do homem. No entanto, essa atividade, chamada de extrativismo vegetal, ainda é praticada. Corresponde à coleta de produtos retirados da natureza.

Na região Norte, essa atividade foi por tempo a única fonte de renda. Hoje, outras atividades são praticadas, como a mineração, a agricultura e a pecuária. Mas ainda assim a extração vegetal é realizada, podemos destacar os principais tipos de extração:


Extração de madeira: que são utilizadas especialmente na fabricação de móveis, produção de carvão e na construção civil. As madeiras mais exploradas são cedro, mogno e cerejeira.

• Cupuaçu: fruta usada na fabricação de sucos, cremes, geléias, doces, sorvetes, entre muitas outras aplicações.

• Açaí: fruta apreciada em diversas partes do Brasil, usada na fabricação de sucos, cremes, concentrados, polpas, entre outros.

• Quina, jaborandi e copaíba: são vegetais com propriedades medicinais usados na fabricação de remédios e produtos de beleza.

• Látex: substância extraída de uma árvore denominada de seringueira, é usada na fabricação da borracha.

• Castanha-do-pará: é uma castanha oriunda da castanheira. Seu fruto serve para a fabricação de alimentos, cosméticos, óleos e remédios.

• A piaçava e a malva: são usadas na fabricação de fibras.

• A sorva e a balata: plantas usadas na fabricação de gomas não-elásticas.

A extração é uma atividade econômica que deve ser incentivada na região Norte, pois consegue aliar renda e conservação ambiental. A implantação de programas de orientação familiar na extração e a formação de cooperativas são de grande valia para melhorar a vida dos ribeirinhos, além dos mesmos contribuírem na preservação, tendo em vista que a floresta é que fornece o seu sustento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário